domingo, 4 de março de 2012

VIDA E LAMENTO DO VELHO CHICO



Tudo lentamente, gota por gota
Uma nascente onde água brota
Um regato em crescente...
Afluentes a se encontrar
Um rio e sua gente,
Seu encanto nos faz sonhar!!!

De salto em salto aquém, além
Suas águas lacerando vem o sertão
Chocalhando desde a sua nascente
Águas que sempre trazem vida em profusão

Chora, Velho Chico
Lacrimejante ninguém te vê 
Chora tuas lágrimas quem conseguirá conter
Chora Velho Chico
Tua vida, deveras, um dia finda
E o homem teu algoz vai perecer!!!

Toda pujança de outrora 
O que resta pode acabar 
Lentamente se esvai....
 Pra nunca mais voltar
E o Velho Chico chora pra não se afogar
Não em sua águas 
mas em suas lágrimas

Uma nascente, um regato,
Afluentes a se encontrar
Um rio, seu povo e um mar... Rio/Mar
Um ciclo que podemos 
E temos que preservar
Em suas águas límpidas 
A poesia da vida está a brotar

Rikardo Barretto